quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Prova de Fogo

Nome: Prova de Fogo
Título Original: The Scorch Trials
Autor: James Dashner
Série: Maze Runner - Livro 2
Editora: V&R (Vergara & Riba)
Livro: Skoob
Sinopse:
O Labirinto foi só o começo... o pior está por vir. Depois de superarem os perigos mortais do Labirinto, Thomas e seus amigos acreditam que estão a salvo em uma nova realidade. Mas a aparente tranquilidade é interrompida quando são acordados no meio da noite por gritos lancinantes de criaturas disformes – os Cranks – que ameaçam devorá-los vivos. Atordoados, os Clareanos descobrem que a salvação aparente na verdade pode ser outra armadilha, ainda pior que a Clareira e o Labirinto. E que as coisas não são o que aparentam. Para sobreviver nesse mundo hostil, eles terão de fazer uma travessia repleta de provas cruéis em um meio ambiente devastado, sem água, comida ou abrigo.
Calor causticante durante o dia, rajadas de vento gélido à noite, desolação e um ar irrespirável – no Deserto do novo mundo até mesmo a chuva é a promessa de uma morte agonizante. Eles, porém, não estão sozinhos – cada passo é espreitado por criaturas famintas e violentas, que atacam sem avisar.
Manipulação, mentiras e traições cercam o caminho dos Clareanos, mas para Thomas a pior prova será ter de escolher em quem acreditar.

[PODE CONTER SPOILERS]

Por um segundo, Thomas teve uma real esperança de que tudo ia ficar bem. De que todo o sufoco tinha acabado. De que, enfim, ele havia sido salvo e conseguiria descobrir mais sobre si mesmo e seu passado. Entretanto, essa esperança desvaneceu tão rápido quanto surgiu.

No primeiro volume da série Maze Runner, Thomas, Teresa e os outros Clareanos conseguiram escapar do Labirinto e foram resgatados por pessoas que os salvaram do CRUEL e os levaram para um lugar tecnicamente seguro. O que nenhum deles contava, é que em Prova de Fogo, eles acordariam com criaturas berrando coisas incompreensíveis na janela, e dizendo que eles eram os Cranks. Depois de terem que arrombar a porta pra saírem e encontrarem os corpos de seus salvadores pendurados no teto, Thomas corre pro quarto de Teresa, só que o que encontra lá não é ela, e sim um garoto que nunca viram na vida, chamado Aris, que diz ter sido colocado ali pelas mesmas pessoas, após sair do Labirinto. Ée, isso mesmo que você está pensando. Existe um outro Labirinto, além do que os Clareanos estavam, só que no caso de Aris, era composto com em torno de 50 garotas, e só ele de garoto. É exatamente o oposto dos Clareanos. E ainda fazem outra descoberta, que são tatuagens em seus pescoços, que diz qual a função de cada um, e o grupo a qual pertence. Como se tudo já não fosse estranho e complexo, a coisa piora: Num dos dias trancafiados naquele lugar, aparece um homem sob o que parece ser uma redoma, impedindo que qualquer um deles avance para atacá-lo. Esse mesmo homem diz que eles devem passar por um Transportal e seguir pelo deserto em uma determinada direção, até encontrar o Refúgio Seguro, e diz que esse vai ser o último Experimento deles, e quem ficar pra trás ou se recusar a ir, certamente já está morto. Sem grandes opções, os Clareanos então partem em mais uma missão.

Ler esse livro me deu um gostinho de Percy Jackson. Não sei dizer exatamente o porquê, mas a situação toda, as aventuras, a jornada cheia de pedras no caminho e luta pra conseguir sobreviver até chegar ao destino, me lembrou bastante PJ, só que lógico, de uma maneira mais agressiva e com bem mais mortes.
Se os problemas de Thomas se resumissem à chegar até o Refúgio Seguro, estaria ótimo, mas a cada passo que dá, as coisas se complicam mais. Ele não faz a menor ideia de onde Teresa está, e a conexão mental deles não funciona mais, então eles não tem nem como se contatar. E para piorar, havia uma placa na porta do suposto quarto dela, onde dizia que ela era A Traidora. E já a tatuagem de Thomas, não dizia nada além de seu grupo (A), e que ele seria morto pelo grupo B. Que maravilha, ein?

Mas calma, não é só isso não! Ainda existe o graande dilema de em quem confiar. O autor coloca alguns personagens de uma forma que, meu deus, nem de longe só o Thomas ficou confuso. Acho que eu decidiria não confiar em ninguém no final, porque tava bem difícil a coisa. E durante todo o percurso entre tempestades, um calor infernal de causar profundas queimaduras, bolas metálicas atingindo qualquer um, os Clareanos encontram um abrigo, só que não é lá um abrigo muito bom, pois está lotado de Cranks. Ou, ao menos, é isso que eles dizem ser, embora pra Thomas, eles sejam normais. A questão é que qualquer um contaminado com Fulgor é chamado de Crank, e pra não criar briga, Thomas diz à dois deles, Jorge e Brenda, que se os ajudarem a chegar ao Refúgio, eles receberão a cura também.

A Brenda é uma personagem que eu adorei! Adorei, adorei mesmo, se tornou uma das minhas favoritas. Eu nunca fui com a cara da Teresa, então ela aparecer pouco nesse volume foi uma maravilha pra mim, heh. Infelizmente não tenho como falar muito além disso, porque se não vai ser um spoiler atrás do outro, então só afirmo uma coisa: ESSE VOLUME É O MELHOOOR! Gente, é incrível! Eu amei e me prendi da primeira página até a última, e isso é algo raro de acontecer com segundo livro de alguma série, mas sem sombra de dúvidas, Prova de Fogo me surpreendeu, e só me deu mais vontade ainda de devorar o próximo volume!

Nota: 5

Sobre mim: Carolina Rodrigues, 19 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário