sábado, 4 de março de 2017

Obsidiana

Título: Obsidiana
Título Original: Obsidian
Autora: Jennifer L. Armentrout
Saga: Lux - #1
Editora: Valentina
Ano: 2015
Páginas: 320
Livro: Skoob
Sinopse:
Começar de novo é um saco.
Quando a gente se mudou para o interior, bem no início do último ano do colégio, eu já vinha me preparando para o sotaque caipira, o tédio, a internet lenta e um monte de chatices…Até dar de cara com o meu vizinho lindo, alto de dar tontura e com intimidantes olhos verdes. Hummm…os prognósticos estavam melhorando.
Até que…ele abriu a boca.
Daemon é irritante. Arrogante. Dá vontade de matar. A gente não se dá bem. Não mesmo. Mas, quando um caminhão quase me transforma em panqueca, o garoto literalmente congela o tempo com um aceno de mão e aí, bom, algo inesperado acontece.
O alien gato (meu vizinho) tem poderes!!!
Você me ouviu bem. ALIEN! A verdade é que ele e a irmã têm uma galáxia de inimigos que querem roubar seus poderes. O rastro que deixou em mim brilha como árvore de natal e isso não é nada bom. O único jeito de sair viva dessa é ficar colada em Daemon até a magia alienígena desaparecer.
Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Três anos se passaram desde a morte do pai de Katy, e ela e sua mãe se mudam para West Virginia. Katy não era fã da escolha de cidade, mas sabia que a mãe precisava de um novo ar se quisesse seguir em frente, então não reclamou. Desde que ela tivesse internet, livros e o seu blog, tudo estaria bem.

A carga horária do trabalho da mãe de Katy é extensa, o que significa que ela passa a maior parte do tempo sozinha em casa. Isso graças à confiança que a mãe tem nela também, lógico. Katy nunca foi imprudente, não arranjava confusão, mal saía de casa direito. Mas isso estava prestes a mudar.

Um dia, Katy cria coragem e bate na porta do vizinho, na intenção de ser simpática e pedir por orientação até o mercado mais próximo. Ela sabia, por intermédio da mãe, que os vizinhos eram dois adolescentes da mesma idade que ela. Katy nunca fora lá muito sociável, mas ao menos estava se esforçando, algo que o cara sem camisa à sua frente definitivamente não estava.

Daemon, seu vizinho de olhos verdes, é arrogante e desprezível. Logo de cara eles não se dão bem. Dee, sua irmã gêmea, por outro lado, é alegre e encantadora. Ela vai atrás de Katy no mercado, desculpando-se pela atitude do irmão. Katy e Dee se dão incrivelmente bem, mas existe sempre o empecilho chamado Daemon. Ele manda Katy se afastar, alegando que Dee não deve ter amigas como ela.

No começo, Katy acha que a implicância é pessoal, afinal, o que havia de errado com ela? No entanto, depois que ela o convence que ela não representa perigo, e ela passa mais tempo junto dos irmãos, ela percebe nuances estranhos, como os dedos de Dee que às vezes vibram e somem, como se ficassem transparentes, além dos raios e tempestades que seguiam sempre que Daemon a salvava.

Katy vai acabar descobrindo, da pior forma, que alienígenas não existem só nos livros. Eles são reais. Eles são os seus vizinhos.

E ao salvar Katy, Daemon deixou rastros que a deixam acesa como uma árvore de natal. Os Arum, seus inimigos, vão usar esses rastros para ir atrás deles. E agora, Daemon tem que dar uma de babá e passar o tempo grudado em Katy até que o rastro suma. Sendo obrigados a ficarem juntos, apesar de Daemon e Katy não se suportarem, eles vão descobrir que fariam qualquer coisa para defender um ao outro.

Meu vizinho não estava sorrindo, mas pelo menos não parecia querer me matar desta vez. Se muito, sua expressão era resignada; provavelmente igual à que eu fazia na hora de escrever uma resenha detonando um livro sobre o qual eu tinha boas expectativas.

Obsidiana é um livro que eu tinha desejo de ler há um tempo, principalmente devido à sua fama. Foi lançado em 2015 pela editora Valentina, mas é conhecido desde 2011 lá fora. Eu já havia lido a série Covenant da autora, mas a saga Lux é de outro nível.

Começando pelo fato que Katy é leitora E blogueira. Como não se identificar, né? Ainda mais quando ela fala sobre suas resenhas. Foi a mesma sensação de proximidade que tive ao ler Fangirl da Rainbow Rowell.

Depois, os personagens. Katy é leal, curiosa, e tem uma língua afiada que rende altas risadas. Falando sério, fazia tempo que eu pegava um livro e me divertia tanto como com esse. Sem dúvida, Katy entrou pra minha lista de protagonistas preferidas. Katy e Daemon tem uma relação de amor e ódio que também diverte, na mesma proporção que a tensão sexual entre eles aquece o livro.

Daemon é o típico bad boy marrento irresistível. Seu amor por Dee e tudo o que ele faz para protegê-la é o mais comovente. É tão palpável seu carinho por ela, apesar dos xingamentos básicos entre irmãos, que nós mesmos temos vontade de enfiá-la no bolso.

De um modo geral, o cenário pode parecer clichê, e é mesmo. O mocinho se apaixonando pela mocinha e salvando-a diversas vezes. A mocinha arriscando sua vida feito idiota. A presença do vilão. Sempre tem que ter um vilão. Mas acho que o que torna Obsidiana tão viciante são seus personagens, engraçados e enlouquecedores. Eu li a obra num dia só, e nem vi o tempo passando.

Outro diferencial é a forma como os alienígenas são apresentados. No mundo sobrenatural, nós sabemos como se parece e age um vampiro, um lobisomem, um fantasma, um zumbi, e por aí vai. Mas os alienígenas ainda são uma incógnita. Já li uns três livros com esse tema, e em cada um, eles foram retratados de forma diferente. Em Obsidiana, Katy comenta imaginar que eles eram seres verdes como no filme E.T, com naves e tudo mais, mas Daemon e Dee são como seres de luz, possuindo habilidades surpreendentes.

Mas o que os alienígenas estavam fazendo na Terra? Haviam outros além deles? De onde eles vieram? Será que Katy deveria confiar neles?

Todas essas respostas vocês encontram no livro, e podem acreditar que vale a pena. Além disso, Katy não é uma Bella da vida. Isso eu garanto. YAY.

A saga Lux é composta por 5 livros, e eu sei que isso desanima, pessoal, mas por sorte, a Valentina vai lançar o terceiro volume no começo de 2017, então há tempo pra ler tranquilamente, ou esperar a saga toda sair pra ler. Vocês não vão se arrepender! E com licença, que eu vou provar mais um pouquinho desses alienígenas com Onix.



Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 21 anos, biomédica. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário