domingo, 30 de julho de 2017

O Herói Improvável da Sala 13B

Título: O Herói Improvável da Sala 13B
Autora: Teresa Toten
Editora: Bertrand
Ano: 2016
Páginas: 320
Livro: Skoob
Sinopse:
Um livro repleto de momentos de profunda emoção e outros de inesperado humor, que explora as complexidades de viver com TOC e oferece perspectivas de esperança, felicidade e cura
Adam Spencer Ross, 14 anos, precisa lidar todos os dias com os problemas que resultam do divórcio dos pais e das necessidades de um meio-irmão amoroso, mas totalmente carente. Acrescente os desafios de seu TOC e é praticamente impossível imaginar que um dia ele se apaixonará. Mas, quando conhece Robyn Plummer no Grupo de Apoio a Jovens com TOC, ele fica perdida e desesperadamente atraído por ela. Robyn tem uma voz hipnótica, olhos azuis da cor do céu revolto e uma beleza estonteante que faz o corpo de Adam doer. Adam está determinado a ser o Batman para sua Robyn, mas será possível ter uma relação “normal” quando sua vida está longe de ser isso?

Aos 14 anos, Adam Spencer Ross se vê apaixonado. Ele tem TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), e é através do grupo de terapia que ele conhece Robyn, a mais nova integrante do grupo, 2 anos mais velha que ele. Adam fica cada vez mais encantado por ela, e por sorte, Robyn se torna rapidamente sua amiga. Ela desabafa com seu Batman (vulgo Adam, o herói improvável) e percebe o quão constante e importante Adam virou para ela.

No caminho certo. Tudo valia a pena se ele estivesse no caminho certo. Para o quê? Para ser curado. Para ser normal.

Adam queria retribuir essa confiança. Queria se abrir com Robyn, mas não podia. Eram coisas demais. Apesar de sua relação com Robyn estar evoluindo surpreendente bem, e Adam se sentir nas nuvens por conta disso, ele ainda tem problemas maiores, como a mãe acumuladora recebendo cartas ameaçadoras, e seu meio-irmão extremamente carente que precisa dele. Além disso, seu TOC está piorando, enquanto ele observa Robyn melhorar cada vez mais. Ao meio de problemas familiares e novos amigos, Adam vai se mostrar um personagem incrivelmente forte.

Adam nunca tinha se sentido mais vivo do que naquele cemitério, naquele exato momento. O mundo dele mudou. Ela e ele estavam conversando. Ela e ele eram possíveis. Talvez. Se ele não estragasse tudo. Não estrague tudo, não estrague tudo, não...

Já li alguns livros retratando o TOC, e por isso estava muito curiosa para ler O herói improvável da sala 13B. Essa sala é onde Adam e os outros pacientes tem a sessão em grupo. A cada sessão, eles falam um pouco sobre seus respectivos dilemas, e após a chegada de Robyn, Adam se vê mais próximo dos outros integrantes, tentando ajuda-los sempre que possível. Um dos pontos positivos do livro é justamente a abordagem dos personagens secundários, de forma que eles também se tornam marcantes. Cada um tem uma obsessão, uma mania, um medo, algo que os aterroriza, e com o decorrer da história, vamos conhecendo-os mais e relacionando-os com seus apelidos de super-herói. A amizade originada do grupo é bonita de ver. A forma como são todos diferentes e iguais ao mesmo tempo, lutando pela mesma coisa.

Ele observou enquanto ela se afastava com a proteção dele, com a armadura dele. Então ele ficou sem nada, sozinho com seus pensamentos em disparada.

A relação de Adam e Robyn é singela e emocionante. Dá vontade de apertar esses dois. Eu tinha a impressão de que Adam seria tímido e que apenas sonharia com Robyn a maior parte do livro, sendo assim uma paixonite platônica, mas acontece exatamente o contrário. Adam é carismático e Robyn não precisa de muito para enxergar seu coração bom. Só de estar ao lado dele ela já se sente em paz.

- Às vezes é necessário magoar aqueles que você ama. Pode checar isso com seu médico sofisticado, ou aonde quer que você vá toda segunda-feira. – Ela bateu de leve em sua mão. – Desapegar, Adam. Essa é a parte realmente difícil de crescer. Você está pronto.

Os pais de Adam são divorciados, e o meio-irmão de Adam veio do segundo casamento do pai. A madrasta é extremamente amorosa, mas somente Adam é capaz de acalmar Docinho, o que às vezes pode ser um grande problema, apesar de Adam não se incomodar em acudir o irmãozinho.

O que você vai fazer? Pare de falar e me conserte! Apenas me conserte. Eu preciso ser consertado.

E Adam, o nosso protagonista, nosso herói, o garoto que aprendemos a adorar... Ele faz contas matemáticas na cabeça para se acalmar, ele tem sérios problemas com soleiras a ponto de não conseguir entrar em casa, ele está afundando enquanto resgata os outros. Um personagem altruísta e batalhador que nos faz torcer por sua felicidade o tempo inteiro. Achei o final um pouco vago, mas acho que o foco da obra não é pra ser esse. É o desenrolar, o crescimento pessoal que Adam teve, o amadurecimento, as lições, o primeiro amor, os novos amigos, os desafios e as conquistas.

As mudanças estavam muito profundas e rápidas. Ele tinha que encontrar um cinto de segurança melhor, ou essa montanha russa iria mata-lo.

Em terceira pessoa, O herói improvável da sala 13B é um livro incrivelmente lindo e inspirador. Apesar do tema, é uma história leve e cativante que te faz se perder por completo nela.

Nota: 5


Sobre mim: Carolina Rodrigues, 22 anos, biomédica. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo histórias ou ouvindo música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário